Entre em contato:

What'sApp: (21) 979640613
E-mail: atendimento@shopmedical.com.br
Visite nossa loja: www.shopmedical.com.br

domingo, 31 de julho de 2011

Hipertensão resistente a medicamentos já tem cirurgia em Portugal


Os primeiros doentes portugueses com hipertensão resistente aos medicamentos foram, segunda-feira, sujeitos a uma cirurgia no Hospital de Santa Cruz, pioneira em Portugal, que lhes permitirá controlar a tensão arterial e baixar o risco de trombose e enfarte.
Trata-se de um tratamento "relativamente recente" que se realiza apenas em alguns centros europeus, sendo pioneiro em Portugal e na Península Ibérica, e está reservado aos doentes que não conseguem baixar os níveis da tensão arterial, mesmo quando tomam seis a oito comprimidos diários, como explicou à Lusa o cardiologista Manuel Almeida.
Este responsável da unidade de intervenção cardiovascular do Hospital de Santa Cruz (Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental) adiantou que para estes doentes que não conseguem controlar a hipertensão com medicamentos não existia, até agora, uma forma de controlar os níveis, vivendo por isso com "elevado risco de problemas cardiovasculares", como trombose e enfarte.
A alternativa tem pouco mais de um ano e consiste numa "técnica de desenervação renal por ablação".
Para concretizar a intervenção, os profissionais de saúde têm de ter acesso a uma artéria do rim -- o que fazem através da virilha -- cuja actividade é reduzida, conduzindo à redução da tensão arterial.
Dentro do tipo, este é um procedimento "minimamente invasivo" que necessita, contudo, de equipamento e salas especiais, além de material que, para já e devido à falta de concorrência, ainda é bastante caro, disse.
Manuel Almeida considera, no entanto, que a intervenção pode conduzir a poupanças, além dos ganhos em saúde e qualidade de vida dos doentes.
"Esta é uma técnica que, para já, custa cerca de 4.000 euros. Um doente gasta, em média e anualmente, mil euros em medicamentos para baixar a tensão arterial. Em quatro anos o investimento foi reposto", disse.
Manuel Almeida ressalva que este "não é um tratamento curativo", pois os doentes não deixam de ser hipertensos, mas permitem um controlo que, de outra forma, não conseguiriam.
Menos de 24 horas após a intervenção, o doentes "estão bem", segundo o cardiologista que revelou que a seleção dos próximos pacientes vai prosseguir, a qual passará pelos "casos mais graves e com maior risco para os doentes".
Em Portugal, cerca de quatro em cada dez portugueses adultos são hipertensos.