Entre em contato:

What'sApp: (21) 979640613
E-mail: atendimento@shopmedical.com.br
Visite nossa loja: www.shopmedical.com.br

terça-feira, 5 de março de 2013

Fatores geográficos podem aumentar risco de alergias e asma, diz estudo


Quem vive próximo à linha do Equador tem mais risco de sofrer alergia.
Relação pode ser explicada pela maior exposição aos raios ultravioleta.


Um estudo publicado na revista científica “Annals of Allergy, Asthma & Immunology”, mantida pelo Colégio Americano de Alergia, Asma e Imunologia (ACAAI), sugere que fatores geográficos podem influenciar na ocorrência de doenças respiratórias.

A pesquisa, divulgada nesta segunda-feira (4), aponta que as pessoas que vivem mais próximas à linha do Equador têm maior risco de desenvolver alergia ou asma. Além disso, os moradores dessas regiões também espirram e ficam com a respiração mais ofegante do que o habitual.

O motivo é a maior exposição aos raios ultravioleta (UVB), o que, segundo os cientistas, pode interferir no sistema imunológico do indivíduo. “O aumento do UVB pode estar relacionado à produção de vitamina D, o que possivelmente provoca uma modificação no sistema imunológico. Essa alteração eleva o risco de desenvolver alergias e asma”, explicou Vicka Oktaria, principal autora do estudo.

Pesquisas anteriores já haviam mostrado que a latitude reflete em uma variação da quantidade de alergênicos no ar – substâncias que podem induzir uma reação de hipersensibilidade em pessoas suscetíveis – devido às diferenças climáticas, de moradia, sociais e culturais. No entanto, esse é o primeiro estudo que associa a ocorrência da asma e de alergias à latitude e a exposição aos raios UVB.

As alergias e a asma são condições graves que podem ser fatais se não forem diagnosticadas e tratadas adequadamente, disse Richard Weber, médico alergologista e presidente da ACAAI.

De acordo com ele, os alergologistas são os profissionais de saúde melhor treinados para diagnosticar e tratar de forma eficaz as doenças decorrentes da alergia e a asma – doença respiratória crônica, caracterizada por falta de ar, tosse e chiado no peito.
"Ambas as condições podem ser mais do que incômodas para as pessoas, independente de sua localização geográfica, e podem durar o ano inteiro", acrescentou Weber.


Fonte: Bem Estar