Entre em contato:

What'sApp: (21) 979640613
E-mail: atendimento@shopmedical.com.br
Visite nossa loja: www.shopmedical.com.br

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Jaqueline Mourão, um exemplo a ser seguido!



Jaqueline Mourão, porta-bandeira do Brasil na cerimônia de Abertura dos Jogos de Inverno Sochi-2014, igualou na Rússia o recorde de participações olímpicas para uma mulher do país (5), mostrando um belo exemplo de superação ao vencer problemas respiratórios que tem desde criança.
Natural de Belo Horizonte, a atleta de 38 anos, que igualará o número de participações de Formiga (futebol) e Fofão (Vôlei), já está acostumada a fazer história. Em Turim-2006, ela se tornou a primeira brasileira a participar tanto de olimpíadas de inverno quanto de verão.
No total, ela já fez participações em duas edições no verão, em Atenas-2004 e Pequim-2008, competindo no Mountain Bike, e em duas no inverno, no esqui cross-country.
Em Sochi, quebrará outro tabu ao se tornar a primeira latino-americana a competir no biatlo, modalidade que mescla cross-country e tiro esportivo. Ela também disputará outra prova de cross-country, a de 1,2 km. Nas duas edições anteriores, tinha participado dos 10km, chegando ambas as vezes na 67ª posição.
"Comecei no esporte muito cedo. Fiz ginástica dos seis aos doze anos e alguns outros esportes. Meus pais trabalhavam o dia inteiro e eu tinha que ficar numa escolinha de esporte depois das aulas. Tinha ginástica três vezes por semana e nos outros dias praticava outros esportes, como natação, basquete, handebol... Se não gostava de um, me matriculavam em outro", explicou Jaqueline à AFP.
A atleta conta que, por causa dos problemas respiratórios, precisou superar obstáculos que muitos consideram um empecilho para a prática dos esportes.
"Sempre tive bronquite e asma. Às vezes, as crises eram tão fortes que precisava ser levada ao hospital para fazer inalações. Sempre tive que conviver com isso, mas, na verdade, o esporte me ajudou a superar esses problemas", relatou a mineira.
Depois de tentar muitas modalidades, Jaqueline acabou despontando no ciclismo, mais especificamente no Mountain Bike.
"Quando comecei o ciclismo, aos 16 anos, um técnico muito famoso estava visitando a cidade e pedi para ele me ver pedalando. Pedalei muito forte, o máximo que pude, para mostrar que tinha algum talento. Quando terminei, ele me disse: 'se fosse você, parava agora, você não é boa'. Imagina se realmente tivesse desistido", lembrou.
Em Atenas-2004, chegou em 18º lugar da competição de Mountain Bike, ficando em 19º em Pequim-2008.
Ao competir na neve, a mineira espera despertar mais interesse da parte dos brasileiros para os esportes de neve.
"Já existe um certo interesse no país, as pessoas querem conhecer a neve e tentar praticar esportes diferentes. O número de atletas é pequeno, quando comparado à delegação dos Jogos de Verão, mas cresce a cada ano", salientou.
Em Sochi, o Brasil enviará sua maior delegação da história em Olimpíadas de Inverno, com 13 atletas.
Em sua quinta participação olímpica, Jaqueline reconhece que é "difícil pensar em resultado", mas se diz feliz por "fazer parte da história do esporte brasileiro".
"Igualar grandes atletas como Fofão e Formiga é uma grande honra, nunca pensei que fosse disputar cinco olimpíadas, ainda mais em três modalidades diferentes. Isso me deixa muito orgulhosa. Sabia que tinha grandes chances de me classificar no cross-crountry, mas no biatlo, era bem mais difícil", explicou.
"Participar da minha primeira Olimpíada em Atenas-2004 já foi um sonho que se tornou realidade e nunca pensei que dez anos depois ainda estaria representando o Brasil nos Jogos", se emocionou a mineira.

"Só quero dar o meu melhor, será um pouco complicado, porque vou participar das duas provas pela primeira vez em Olimpíadas, mas se conseguir chegar abaixo do 15º lugar já seria fantástico", completou a atleta, que independentemente do resultado, já fez história apenas com sua presença em Sochi.
Fonte: R7 Esportes